Views
4 months ago

edição de 15 de abril de 2019

  • Text
  • Publicidade
  • Paulo
  • Brasil
  • Abril
  • Anos
  • Marca
  • Jornal
  • Propmark
  • Marcas
  • Mercado

marketing & negócios A

marketing & negócios A publicidade é instrumento de gestão pública Não é por outra razão que as marcas mais conhecidas e poderosas do mundo são aquelas que mais anunciam Urupong/iStock Rafael Sampaio Quanto ao propósito, a publicidade tem a missão de informar, cooptar, convencer, obter apoio, suporte e colaboração. Tudo isso para cumprir tarefas de utilidade pública, informação e até institucional, que construa a maior unidade possível de visão e posição sobre um determinado ponto de vista, gerando um processo de “comunhão social”, que estabelece as comunidades de interesse da sociedade. Com inteligência, pois não se pode esquecer que a publicidade vai procurar se comunicar com pessoas sobrecarregadas de estímulos, cheia de problemas pessoais, familiares e profissionais para cuidar e que oscilam entre a apatia e a hostilidade em relação à comunicação pública. Com estratégia, porque a missão a cumprir sempre será bem maior que os recursos disponíveis, que sempre serão sempre escassos em termos relativos e absolutos. E com qualidade porque a publicidade pública não vai competir com outras eventuais mensagens do gênero, mas com o melhor que toda a publicidade estará fazendo no momento de sua veiculação. Bem feita, a publicidade é com toda a certeza um dos mais eficientes e eficazes instrumentos de gestão pública. Com o fenômeno das mídias sociais, porém, não são poucos os dirigentes públicos, de todos os poderes e níveis da federação, que passaram a acreditar na possibilidade de estabelecer comunicação direta com a população. Isso é ainda mais preocupante no caso dos que foram eleitos com um uso intenso dos recursos da internet, caso do pioneiro Obama, de Trump e Bolsonaro. Todos correm o risco de minimizar o papel da imprensa em geral e da publicidade em particular, o que prejudica sua capacidade de gestão das expectativas e suporte da população que têm a missão de governar e liderar. Obama soube administrar bem sua relação com a imprensa, mas não utilizou os recursos da publicidade como deveria. Trump não dá bola nem para um caso, nem para outro, e Bolsonaro vem seguindo a mesma linha. Ele e a grande maioria dos dirigentes de estados e municípios brasileiros, aliás. O que todos esquecem é o fato de que nas mídias sociais eles falam para seus grupos mais próximos de admiradores e defensores, não com o conjunto da população e seus principais segmentos, com os quais têm a obrigação funcional de se comunicarem. Além de tudo, é essencial manter o engajamento e elã de seus defensores e dos que lhes suportam, de modo a conquistar e não perder entusiastas. Não é por outra razão que as marcas mais conhecidas e poderosas do mundo são justamente aquelas que mais anunciam, o tempo todo e em todas as mídias. Dois exemplos práticos recentes são as marcas de alto consumo, que andaram apostando muito nas alternativas digitais; e as empresas de tecnologia, algumas, como Google e Facebook, que inclusive têm se beneficiado da expansão do uso da comunicação digital. As primeiras, as marcas de consumo, já constataram que erraram em abandonar a publicidade e as mídias tradicionais e estão fazendo o caminho de volta. As segundas, as empresas digitais, descobriram que só conseguem superar as barreiras de seus consumidores mais entusiasmados, bem como captar clientes de seus concorrentes, se empregarem os meios de maior alcance, como a TV; tanto que têm aumentado muito os recursos aplicados e estão hoje entre os maiores investidores neste meio. Adicionalmente, no caso brasileiro, onde o mercado publicitário conta com um volume ainda relativamente baixo, a publicidade pública tem a função de ajudar a gerar recursos para os meios de comunicação, essenciais para a defesa da democracia, da livre iniciativa e da informação, cultura e entretenimento públicos. Rafael Sampaio é consultor em propaganda rafael.sampaio@uol.com.br 28 15 de abril de 2019 - jornal propmark

we mkt stanley45/iStock As novas embalagens “Candeia que vai adiante alumia duas vezes”. Álvaro de Campos Francisco Alberto Madia de Souza Meu querido amigo e mestre do design, Pascoal Fabra Neto, jamais, em hipótese alguma, traduziu design por desenho. Sim, sempre, por propósito, destino, finalidade, intuito, que se revela na mensagem. Sua preferência e recomendação traduzir- -se por desígnio. Forma e conteúdo. Traços, letras, linhas, nuances, texturas, densidades, materiais, sons, tons, respiros. Com direito a suspiros diante de tanta beleza e encantamento. Falo do Fabra e me lembro dos Beatles. The Long And Winding Road. Quase todos recordam-se e cantam essa música maravilhosa dos quatro de Liverpool. The long and widing road That leads to your door will never desappear... Pois é, sinto dizer, está desappearing... A longa e sinuosa estrada que levava os produtos dos supermercados às nossas casas está desaparecendo. Ou melhor, gradativa e suavemente, sendo substituída. Pense um pouco. Todas as embalagens, tamanhos, materiais, texturas, conteúdos, todo o design que hoje existe e é exposto nas gôndolas dos supermercados tinha uma premissa fundamental. Alguém vai ao super, pega na gôndola, coloca no carrinho, chega no caixa, paga, coloca no saquinho, coloca no porta-malas do carro ou leva em um carrinho ou nas mãos, descarrega em casa... Dispensa, geladeira ou, direto para a mesa. E por aí vai. Toda a primeira parte dessa trajetória ou jornada começa a ser revista. Entra na internet, faz as compras e recebe em casa. Assim, nesse preciso momento, os maiores fornecedores de embalagem em todo o mundo criaram grupos permanentes de profissionais e trabalho para o desenvolvimento das novas embalagens. Muitos desses grupos reúnem-se todas as semanas, nos últimos três anos. As novas embalagens que serão concebidas e criadas para continuarem cumprindo todas as missões que são de seus ofícios e competências; mas, principalmente, procedendo a uma releitura radical diante da nova trajetória das mesmas. Do novo caminho que percorrem uma vez realizada a compra. Direto de distribuidores e vendedores para a casa das pessoas. Encurtando caminho. Não mais a caminho de lojas, terminais logísticos, embarques e desembarques. Nem em lojas nem em supermercados. Despedindo-se das gôndolas. Mais adiante, quando essa migração se acelerar e ganhar densidade, vai mexer radical e dramaticamente nas características dos pontos de venda. Sempre que alguma coisa de novo, de radicalmente novo, acontece, precisamos, o tempo todo, permanecer atentos, fortes e refletindo sobre possíveis eventuais implicações em nossos negócios. Como todas as grandes empresas estão procedendo neste momento. Quando se altera a função reconsidera- -se a forma. Sem jamais perder de vista a busca incessante e o objetivo final: surpreender e encantar o cliente. Antes, durante, depois e acima de todas as demais coisas, razões, motivos, objetivos. Assim, jamais se esqueça dos versos finais da longa e sinuosa estrada: But still they lead me back To the long winding road You left me standing here A long long time ago Don’t keep me waiting here Lead me to your door Certo? Cantando, revendo caminhos e trajetórias, atualizando, reservando competitividade. Francisco Alberto Madia de Souza é consultor de marketing famadia@madiamm.com.br jornal propmark - 15 de abril de 2019 29

edições anteriores

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.