Views
1 week ago

edição de 15 de abril de 2019

  • Text
  • Publicidade
  • Paulo
  • Brasil
  • Abril
  • Anos
  • Marca
  • Jornal
  • Propmark
  • Marcas
  • Mercado

mídia Gloob busca

mídia Gloob busca relevância de conteúdo para atrair marcas para sua grade Restrições à publicidade infantil não impedem o canal de apresentar oportunidades por meio de eventos, patrocínios e projetos especiais Paulo Macedo lém de entregar uma boa “A audiência, é preciso trazer marcas fortes para o portfólio. Os conteúdos precisam ter relevância para o público infantil e gerar engajamento.” A expressão é da executiva Luciane Neno, gerente de marketing e plataformas digitais da unidade infantil da Globosat, que tem no seu portfólio de canais o Gloob, especializado em conteúdo para os baixinhos. As oportunidades de monetização não contemplam apenas a exibição de comerciais na grade, mas também patrocínios, licenciamento de produtos, organização de eventos e conceituação de projetos para atrair anunciantes. “As restrições publicitárias do mercado infantil não nos impedem de criar oportunidades atraentes para os anunciantes como patrocínios, eventos em shoppings e até projetos especiais com entrega em todas as plataformas de atuação do canal, além da mídia avulsa. Trabalhamos alinhados com as regras do Conar e o nosso time comercial tem o desafio constante de inovar, respeitando as limitações desse mercado, o interesse das marcas e os valores do canal”, explica Luciane, acrescentando que “os principais segmentos de investimento no canal são os de brinquedos e acessórios, cultura, lazer e serviços ao consumidor.” O objetivo é gerar conexões através de ações como o recente spin-off para a série D.P.A (Detetives do Prédio Azul), batizado de Vlog da Berê. “Somos reconhecidos pela nossa capacidade de desenvolver conteúdos de qualidade, de contar boas histórias que geram identificação e conexão com os nossos espectadores. Aí está nossa força de atração no mercado, na medida em que as marcas querem se associar a narrativas “Um bom briefing e objetivos claros garantem o melhor resultado para o anunciante e para o canal, o que independe do formato comercial” consistentes e a personagens fortes que dialoguem com os próprios valores. Temos equipes multidisciplinares capazes de traduzir as necessidades e estratégias dos anunciantes através de ofertas diversas, como projetos especiais, ativações e soluções que envolvem influenciadores (VIU HUB). Um bom briefing e objetivos claros garantem o melhor resultado para o anunciante e para o canal, o que independe do formato comercial.” A agilidade que o Grupo Globo tem garante ao Gloob e às demais plataformas disponíveis, das TVs abertas e fechadas, passando por todas as mídias, soluções sob medida para o mercado anunciante. Além do VIU HUB, laboratórios são utilizados para o desenvolvimentos de projetos. No caso do Gloob, a concorrência no segmento é forte, mas Luciane acredita que há espaço para boas ideias. Os projetos são desenvolvidos pelo Lab da Globosat? Luciane responde: “Esse é um dos recursos disponíveis na empresa, um modelo que envolve o anunciante, especialistas e áreas diversas da empresa para encontrarem soluções de forma colaborativa. Todos os que passaram por esta experiência elogiaram muito a eficácia do modelo.” Luciane Neno é responsável pelas plataformas digitais da divisão infantil dos canais da Globosat Divulgação/Juliana Coutinho 40 15 de abril de 2019 - jornal propmark

de frente com o presidente “As redes sociais trouxeram poder para o consumidor” Com um olhar diferenciado para os negócios, Marcio Toscani, copresidente da Leo Burnett Tailor Made, possui vasta experiência na área financeira. Nesta entrevista, Toscani faz um balanço dos últimos anos de liderança compartilhada com o criativo Marcelo Reis, fala das mudanças na relação com os clientes e revela que a transformação da indústria acontece por conta da exigência dos consumidores que buscam marcas que tenham um maior posicionamento. Divulgação Marcio Toscani: “A digitalização cada vez maior do consumidor é um caminho sem volta” Alisson Fernández Finanças Minha formação foi no mercado financeiro. Desde que me formei na faculdade trabalhei por quase dez anos neste segmento. O mercado financeiro me trouxe a excelência no resultado. Ele possui essa cobrança na excelência do serviço e trouxe essa bagagem para o mercado publicitário. Então, a experiência no mercado financeiro me deu esse olhar muito voltado para o negócio que consigo realizar dentro do mundo da publicidade. Últimos cinco anos Foram muitos desafios. O mercado mudou muito nestes últimos cinco anos, mas o principal desafio foi organizar uma agência grande, muito respeitada, e fazer com que ela acompanhasse as mudanças do mercado. O trabalho realizado desde 2014 acabou se refletindo nos últimos dois anos, que ganhamos novos clientes como Bradesco, Extra e o digital de Fiat. O maior desafio foi entender como preparar a agência para essa revolução e transformação digital para ter uma entrega muito mais efetiva e de negócios para os nossos clientes. Transformações Se olharmos para a agência nos últimos dois anos e meio podemos observar que trocamos praticamente todas as nossas lideranças e promovemos as pessoas internamente. Realizamos um olhar interno muito grande para entender quem estava performando melhor e quais eram os melhores talentos que estavam aptos para assumir funções com mais responsabilidades. Acredito que fomos muito felizes nesse processo e conseguimos resultados fantásticos. Agências X Clientes Sem dúvidas essa relação muda mês a mês, ano a ano, e segue a transformação da indústria. Com o desenvolvimento digital e a criação de novas plataformas de comunicação, a exigência das marcas está cada vez maior por conta também da exigência dos consumidores. Eles cobram um posicionamento das marcas e isso faz com que o desafio da agência seja bastante grande. As redes sociais trouxeram poder para o consumidor. Isso é uma maravilha, pois o consumidor possui uma voz ativa. O desafio das agências é entender como utilizar tudo isso da melhor maneira em benefício dos nossos clientes. Posicionamento Os consumidores querem marcas que se posicionem mais. As marcas também possuem um papel social e precisam ter um vínculo emocional com o consumidor. As marcas que conseguirem se posicionar “As marcas também possuem um papel social e precisam ter um vínculo emocional com o consumidor” de uma maneira efetiva com aquilo que o consumidor espera delas terão um sucesso maior e um benefício em relação ao seu competidor. Inovação Primeiro precisamos definir o que é inovador. Quando vem na nossa cabeça a palavra inovação, pensamos em tecnologia. Inovação, não necessariamente, é tecnologia. Ela pode vir de vários lugares, como, por exemplo, você mudar a forma de trabalhar ou pegar um caminho diferente para ir para a sua casa. Temos essa forte tendência de linkar inovação com tecnologia, e vemos que grandes inovações não estão necessariamente ligadas a ela. Obviamente, tecnologia nos ajuda muito nesse ponto da inovação e nos abre caminhos que antes não eram possíveis. Isso é fundamental para que possamos trazer uma solução de comunicação inovadora aos nossos clientes, que tenham conexão maior com o consumidor. Tendência No meu ponto de vista é essa evolução do mercado digital. Sem dúvida nenhuma é um caminho sem volta. Obviamente, existe sempre um mix que precisa ser respeitado. O consumidor não está só na TV aberta ou no digital, ele está em todos os lugares. Não significa que uma mídia exclui a outra, pois elas são complementares. Então, a agência, juntamente com o cliente, precisa entender esse momento e este desafio. A digitalização cada vez maior do consumidor é um caminho sem volta. Essa geração Z, que vemos hoje e nasceu com o celular na mão, é quem nos desafia. É um desafio para as marcas e agências conversar com essa geração. Perspectivas A agência teve um ano de 2018 muito positivo. Estamos na melhor fase da Leo Burnett de todos os tempos. A consistência da Leo Burnett é o que faz a agência chegar onde chegou. E vai chegar até mais longe. Em 2019 não vai ser diferente, pois é um ano que promete. Ainda não aconteceu do jeito que esperávamos, mas acredito que depois que o governo resolver as questões estruturais, a economia volta e os empresários vão investir no desenvolvimento do país. jornal propmark - 15 de abril de 2019 41

edições anteriores

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.