Views
2 weeks ago

edição de 3 de dezembro de 2018

  • Text
  • Anos
  • Mercado
  • Brasil
  • Dezembro
  • Propmark
  • Jornal
  • Campanha
  • Paulo
  • Forma
  • Marca

AgênciAs Archive

AgênciAs Archive seleciona 10 trabalhos da Binder para edição de dezembro Tradicional publicação austríaca focada em direção de arte e design também elegeu três peças para o 200 Best Digital Artists Worldwide Binder, que tem sede operacional no Rio de Janei- A ro, teve 13 peças selecionadas pela revista austríaca Lürzer’s Archive e serão publicadas na edição que circula neste mês de dezembro. Os trabalhos foram criados para a campanha institucional do Shopping Rio Design e para a divulgação do espetáculo teatral 10 dias que abalaram o mundo, encenado no Armazém da Utopia, no Porto do Rio, pela companhia carioca Ensaio Aberto. Foram inscritos oito cartazes desenvolvidos para a divulgação da peça, que se destacam pelo design arrojado, grafismos, cores fortes e outros elementos que remetem à história encenada no palco: a dos primeiros dias da Revo- iProspect muda comando com foco na geração de negócios digitais O executivo Bruno Mosconi, que estava na AlmapBBDO e é especialista em tecnologia, mobile e UX, vai intensificar sinergias com o Grupo DAN Para liderar uma nova etapa no mercado brasileiro, a agência iProspec está promovendo alteração no seu comando. O executivo Bruno Mosconi, especialista em mobile, UX e tecnologia e com 25 anos de experiência no mercado, com passagens pela AlmapBBDO e Proximity, assume a operação brasileira da empresa que integra o Dentsu Aegis Network. Um dos objetivos é “expandir soluções inovadoras e atrair novas marcas”. Outro ponto é aprofundar parcerias com outras empresas do DAN, “reforçando seu papel na transformação digital das empresas e seus departamentos de marketing”. Divulgação Peça da campanha para o Rio Design Arts que vai integrar o anuário digital da Archive Divulgação Bruno Mosconi planeja estreitar relacionamento com outras empresas do DAN no país lução Russa. O espetáculo foi inspirado no livro de mesmo nome do jornalista e escritor americano John Reed. Mais três trabalhos da Binder para o Rio Design Arts foram selecionados pelos editores da tradicional publicação austríaca para compor o anuário ‘Archive 200 Best Digital Artists Worldwide 19/20’. “Este resultado é um reconhecimento da qualidade do trabalho que desenvolvemos para os nossos clientes”, observa Marcos Apóstolo, sócio- -diretor de criação da agência. “São projetos diferenciados, mas que primam pelo mesmo apuro gráfico, valorizando o design e as novas tecnologias para todos os segmentos, da cultura à moda do varejo”, ele finaliza. “O mindset de performance – definir a estratégia, executar, medir resultados e retroalimentar o sistema, tudo com base em dados – se provou uma abordagem eficiente para comunicação e relacionamento com os consumidores no meio digital. Alinhado ao amadurecimento das transações e experiência online, demos agora um passo à frente: fortalecer o desenvolvimento de ações e projetos que impactem diretamente a geração de negócios associados ao digital. Essa abordagem prima pela eficiência, transparência e visa auxiliar as empresas em seu processo de transformação digital”, afirma Mosconi. 20 3 de dezembro de 2018 - jornal propmark

we Mkt LightFieldStudios/iStock Maquininhas “Há muitas coisas na vida mais importantes que o dinheiro. Mas custam um dinheirão”. Groucho Marx Francisco alberto Madia de souza país foi invadido pelas maquininhas de O pagamento. Antes eram duas ou três. Agora são dezenas. Qualquer banco meia-boca tem sua maquininha. E muito brevemente todas serão arremessadas para o lixo na medida em que os sistemas de pagamento migrem por completo para os smartphones. Seguramente, a maior referência nessa disrupção do monopólio de duas empresas que reinaram absolutas durantes duas décadas é a maquininha do UOL, a PagSeguro. E tudo é meio na base do foi indo, indo, indo e, quando se deu conta, foi, era, é, vai, continua... por completo a característica do negócio de meios de pagamentos. Agora, prepara-se para virar banco. Isso mesmo, a maquininha da UOL, Folha vai virar o Banco Pag- Seguro. Considerando-se sua elevada penetração, a maquininha da Folha, que nasceu no UOL e era apenas um espelho no digital do que a Folha fez durante décadas no analógico, tem tudo para alcançar um megassucesso. Pela simples razão que vai pegar carona num caminho já construído, viável, lucrativo, prático, de domínio de seus milhares de clientes lojistas, que farão sua adesão aos créditos que colocará à disposição, com total naturalidade. Era uma vez a Folha, que resolve colocar no ar um portal de notícias no ano de 1996. Jogando no digital o que fazia no impresso e de uma forma totalmente inadequada à luz de hoje. No ano seguinte, coloca no portal a TV UOL - shows, notícias e entrevistas. Em 2000, manda uma equipe cobrir os Jogos Olímpicos de Sidney. Em 2001, faz uma cobertura histórica do atentado de 11 de setembro. Em 2002, transmite um jogo da seleção brasileira. A partir de 2005, começa a investir em segurança. Em 2008, passa a oferecer serviços de hospedagem. Em 2009, começa a prestar serviços de assistência técnica. Em 2010, cria seu data center. Em 2012, converte-se, também, em portal de educação. E, em 2015, lança sua maquininha. A maquininha do PagSeguro. Isso mesmo, aquela sempre nas mãos da Alessandra Negrini. Que, mediante uma política agressiva de comercialização e popularização, muda Mais um daqueles fantásticos cases de empresas e empreendedores que foram fazendo, fazendo, fazendo e, quando se deram conta, estava feito. Serendipismo em marketing. Atirou no portal, acertou na maquininha e converteu-se em banco. Partiu para Montevidéu e desembarcou em Tóquio... Jamais passou pela cabeça da Folha ter e ser banco um dia. Mas, com a tal da maquininha... Independentemente disso, da mesma forma que hoje assistimos à chuva de maquininhas, em muitos poucos anos, virá a ressaca. E como afirmei parágrafos atrás, como está fazendo o UOL/Folha, ou as administradoras das maquininhas evoluem rapidamente para um novo negócio e se institucionalizam ou ficarão com a brocha, ou melhor, com milhares de maquininhas esquecidas e abandonadas nas mãos, sem saber exatamente o que fazer. Até mesmo o descarte será complicado. Francisco Alberto Madia de Souza é consultor de marketing famadia@madiamm.com.br jornal propmark - 3 de dezembro de 2018 21

edições anteriores

Receba nossa newsletter

CADASTRAR

© Copyright 2000-2017 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.