Views
5 months ago

edição de 8 de julho de 2019

  • Text
  • Ainda
  • Mercado
  • Marca
  • Jornal
  • Propmark
  • Julho
  • Marcas
  • Anos
  • Brasil
  • Marketing

arena do esporte

arena do esporte Danúbia Paraizo danubia@propmark.com.br Fotos: Divulgação sem limites O espaço máster no uniforme do PSG para a temporada 2019/2020 tem novo dono. Sai de campo a companhia aérea Fly Emirates, depois de 14 anos de parceria, para a chegada da rede de hotéis Accor. A empresa vai usar a visibilidade do clube para divulgar o All (Accor Live Limitless), seu programa de fidelidade e experiências. O anúncio da nova camisa foi feito na semana passada, em parceria com a Nike, fornecedora de material esportivo do clube francês. A divulgação do uniforme está a todo vapor. Nas redes sociais, o PSG já revelou, inclusive, a imagem do game Fifa 20, da EA Sports, com suas principais estrelas usando o novo uniforme patrocinado. Um dos clubes europeus mais populares no Brasil, até pela participação de jogadores como Neymar, Thiago Silva e Marquinhos, o PSG também prepara sua expansão no país, com a inauguração de suas lojas físicas. Os hotéis da Accor receberão o projeto ainda neste ano. Força A Ajinomoto está trazendo ao Brasil o Projeto Vitória, que patrocina atletas para os Jogos Olímpicos. A iniciativa começou no Japão em 2003 e agora chega ao país com o objetivo de apoiar algumas promessas para as Olimpíadas de Tóquio, em 2020. O anúncio foi feito na semana passada, em São Paulo, quando foram revelados os nomes de atletas e paratletas em diversas modalidades. Entre eles, Arthur Nory, da ginástica artística; Rafael Silva (Baby), do judô; e Verônica Hipólito, do atletismo, entre outros nomes. O contrato com os atletas é fruto de acordo com o Comitê Olímpico Brasileiro até o fim de 2020, e inclui o fornecimento de suporte nutricional. A Ajinomoto é conhecida por seus temperos, mas é líder mundial em aminoácidos. A empresa vai trabalhar a marca aminoVITAL GOLD. legado O Guaraná Antarctica chamou outras marcas a investirem no futebol feminino e mais de uma dezena delas aceitou o desafio. A seleção brasileira acabou saindo da Copa do Mundo antes do que a torcida gostaria, mas o legado de apoio às atletas tende a permanecer. É o que garantiram os executivos de marcas como O Boticário, Lay’s, Gol, Havaianas, Downy e do próprio Guaraná Antarctica, entre outras empresas. “Um campeonato não muda a história que queremos construir no futebol! Guaraná Antarctica já vem acompanhando as seleções brasileiras e seguimos ainda mais firmes e comprometidos com o futebol feminino - esta parceria não é passageira”, garantiu Daniel Silber, gerente de marketing do refrigerante. estilo O jogador Marcelo (foto), do Real Madrid, é o novo embaixador da Oakley para as linhas de óculos, calçados e acessórios. A marca fez o anúncio em São Paulo, durante evento que marcou a evolução de seu posicionamento, mais ligado na performance do esporte e no lifestyle esportivo. O modelo e apresentador Rodrigo Hilbert também foi anunciado como embaixador da empresa ao lado de Marcelo. 32 8 de julho de 2019 - jornal propmark

digitAl Abradi traz práticas que auxiliam anunciantes na compra de mídia Documento serve para empresas privadas e públicas; associação também anunciou serviço de consultoria para apoiar as marcas LEONARDO ARAUJO Abradi (Associação Brasileira de Agentes Digitais) A lançou na última semana o Guia de Compras de Comunicação Digital. O objetivo é auxiliar empresas privadas e públicas na criação de concorrências eficientes para contratar serviços digitais. Além disso, a associação apresentou um novo serviço de consultoria para complementar o guia e ajudar marcas e anunciantes. Durante o lançamento, ocorrido no Unibes Cultural, em São Paulo, Beatriz Ayrosa, CEO da Becabiz e líder do comitê de Procurement da associação, responsável pela produção do material, deu dicas para um processo de compra de comunicação digital no mercado privado. A profissional ressaltou que os ensinamentos contidos no documento - que pode ser baixado gratuitamente no site da instituição - são provenientes das experiências da equipe que produziu o Guia. “O trabalho não se encerra com o lançamento. [...] O mundo vai mudando e o seguimento digital, então, nem se fala”, ressalta para dizer que o documento poderá sofrer atualizações. Ela destaca que a principal dica para as marcas é definir o escopo de trabalho. Para a profissional, é preciso determinar com clareza e separar o que é serviço estratégico e o que é demanda do dia a dia. Um exemplo: se a empresa quer que a agência crie e-mails. “Será preciso definir o público- -alvo? Tenho de criar as peças? Existe um template? Precisa finalizar HTML? Preciso disparar o e-mail? Preciso olhar um relatório? Analisar um relatório? São demandas completamente diferentes, demandam tempos diferentes de atendimento, por isso é importante dar clareza ao pedido”, diz. Após a abertura, o evento Jussara Oliveira, Carolina Morales, Flávia Pierry e Adriana Moya: painel discutiu a compra de digital por órgãos públicos contou com o painel Como contratar serviços digitais no Setor Privado, mediado por Fábio Trindade, diretor de comitês da associação e do Grupo Digital Business. O desafio de precificar o intangível na comunicação digital entrou no debate por diversos momentos. Para Fábio Souza, presidente da agência E/OU-MRM, que faz parte da rede McCann, é mais simples do que parece, basta se perguntar qual impacto o intangível terá na sua empresa? “Você sempre consegue colocar métricas em tudo que faz. Não existe mais ‘eu acredito que’, tudo dá pra quantificar, até o coração”, analisa. Outro painel foi mediado por Carolina Morales, diretora de relacionamento com clientes na iComunicação e vice-presidente da Abradi. O bate-papo tratou do tema Como contratar serviços digitais no setor público e contou com a participação “Você sempre consegue colocar métricas em tudo que faz. não existe mais ‘eu acredito que’” Divulgação/Daniel Vorley de Jussara Oliveira, diretora de contas na Monumenta Comunicação; Flávia Pierry, assessora de comunicação na Agência Nacional de Águas; e Adriana Moya, vice-presidente da Abradi-DF. As profissionais lembraram que as instituições públicas compram a comunicação sob o modelo da Secretaria de Comunicação Social (Secom) e que a padronização facilita a aquisição dos serviços no momento das licitações. Ao contrário do setor privado, onde as marcas precisam saber o que pedir nas propostas, no público, conforme explica Carolina, os “agentes digitais também não sabem oferecer para o governo”. Uma das principais dicas é estar atento à documentação da empresa, como Contrato Social, CNPJ, Certificado de Reguladridade do Fundo de Garantia e qualquer outro documento que o edital exigir. jornal propmark - 8 de julho de 2019 33

edições anteriores

© Copyright 2000-2019 propmark o jornal do mercado da comunicação. Todos os direitos reservados.